Renascer esta coisa chamada blog

Olá Mundo, à muito tempo que não nos “viamos”. Passou imenso tempo em que nem eu próprio visitava o meu próprio blog, aliás, considerei até em lhe por termo à existência.

O mercado português para computação criativa não está na melhor forma, e até para projectos simples de Flash e ActionScript3. O futuro não se apresenta muito risonho.

Usei o ano que passou para ver como é que o mercado iria reagir, e para onde se iria virar, a resposta foi HTML e JavaScript. Isso, leram correctamente, estou a falar do bom “velhinho” HTML e não do “novo puto do bairro” HTML5. Actualmente todas as agências criativas querem algum tipo de trabalho em HTML5, quando na realidade estão mesmo é a falar de algum tipo de animação e/ou interacção em JavaScript.

Felizmente para mim, sempre fui um agnostico tecnológico. Trabalhei com tecnologias como o Adobe Flash quase desde o seu surgimento, desde os bons tempos da Macromedia; usei HTML, CSS e JavaScript quando era obrigatório e até usei o Microsoft Silverlight que foi bom o suficiente para a Microsoft aprender e delinear o caminho a tomar com o Windows 8 etc etc.

Quando a Apple tomou a decisão de não incluir o plugin Flash no iphone e ipad, houve uma grande comoção – e agora?
Então a Adobe tomou a decisão de direccionar o Flash para o Game Development. Acho que foi uma boa decisão!! O Flash está a ficar mais forte e robusto.
Mas e agora neste microsistema chamado Internet? Pessoal, o velhinho HTML com um grande facelift está ai para ficar, mesmo que todo o Mundo saiba que os standards para o HTML5 ainda demorem a chegar!!

Assim, com maior ou menor dano, temos de construir o mesmo tipo de websites, mas agora sem o Flash. Será um grande problema? Claro que será, mas a Adobe está a lançar um conjunto de ferramentas para ajudar a resolver essa transição.
Mas não temam, o futuro é sempre sorridente…afinal de contas, isto é só tecnologia, o nosso cérebro é a nossa ferramenta mais valiosa!! Por isso, vamos lá…WebDesign e WebDevelopment irão sempre prosperar, independentemente do código que escreverem e eu irei continuar a escrever sobre o assunto.

Até breve.